Instagram

sexta-feira, 29 de abril de 2016

Você sabe a diferença entre o nutrólogo e o nutricionista?


O trabalho de um nutrólogo e do nutricionista são de extrema importância para garantir a qualidade de vida de pessoas de diversas faixas etárias. Ambos estão relacionados aos hábitos alimentares de seus pacientes, com equilíbrio nutricional e buscando uma vida mais saudável.
Hoje em dia, as funções destes dois profissionais são bem requisitadas e valorizadas no mercado de trabalho. Mas cabe a nós, buscar e entender exatamente o que cada um faz. O ideal seria um complementar o trabalho do outro, e assim, auxiliar melhor o paciente em seu objetivo.

O nutricionista possui formação em nutrição, que é um curso totalmente voltado à alimentação do paciente. Entre suas funções, ele define cardápios e sugere pratos variados e equilibrados, que supram as necessidades nutricionais de seus pacientes. Pode orientar dietas individuais ou de grupo, sempre levando em consideração o teor e quantidade adequados dos alimentos. 

O nutrólogo é um médico por formação com especialização em nutrologia e que estuda, pesquisa e avalia os benefícios e malefícios causados pela ingestão de nutrientes e de seus hábitos alimentares como um todo, aplicando seus conhecimentos para a avaliação de nossas necessidades orgânicas utilizando exames laboratoriais e podendo haver ajuda de suplementos, hormônios e medicação. O nutrólogo também é apto a prescrever tratamentos médicos visando a manutenção da saúde e redução de risco de doenças.  Segundo Dr. Carlos Reginato, “Além de termos uma formação médica, caso o paciente venha a ter uma deficiência na alimentação, nós podemos prescrever uma dieta ou então indicar o acompanhamento de um nutricionista. Também podemos auxiliar em problemas como anemia, obesidade, diabetes, câncer, anorexia e osteoporose”, completa o nutrólogo.

As funções do médico nutrólogo também contemplam em auxiliar quem é atleta ou pratica exercícios físicos. Para os corredores, por exemplo, o nutrólogo pode ser muito útil na promoção da saúde, na melhora do desempenho, na recuperação pós-exercício e no diagnóstico ou prevenção de enfermidades. Ele pode inclusive com ajuda dos exames específicos, somados à avaliação clínica, identificar as carências ou excessos de sua rotina que influenciam no rendimento dos esportes. Através de um estudo completo de hábitos, análise dos exames, estilo de vida e objetivo que o paciente deseja alcançar, o nutrólogo sugere as mudanças e pode até indicar medicamentos e suplementos.

Campos onde o nutrólogo pode atuar:

Nutrição e Suplementação
Uma alimentação adequada e uso de suplementos (vitaminas, minerais, proteínas, gorduras, enzimas, antioxidantes e etc) são fundamentais para abastecer seu corpo com os melhores “combustíveis” para sua saúde. O nutrólogo também pode prescrever doses altas para fins terapêuticos, tudo varia de caso a caso.

Gestão do estresse
O aumento do estresse pode afetar negativamente sua saúde, isso porque nesta situação seu corpo libera o hormônio cortisol, e outros diversos hormônios que em excesso prejudicam diversas funções no organismo. Podem inclusive colaborar com o ganho de peso e dificultar a perda de gordura. Portanto saber controlar as fontes de estresse e modular o cortisol é fundamental para prevenir e manter a saúde.

Exercícios Físicos
A importância da atividade física é bem conhecida, porém existem maneiras corretas de praticar os exercícios e obter melhora na saúde. Não basta apenas caminhar, por exemplo. É preciso aprender e realizar os programas de treinamento ideais para otimizar sua saúde. A avaliação metabólica: exames laboratoriais, anamnese clínica e avaliação por bioimpedância realizada por um médico é um diferencial para otimizar os resultados dos exercícios.

Avaliação Hormonal
Nossos hormônios começam a diminuir a partir dos 30 anos e as consequências destes baixos níveis são uma série de distúrbios. Como por exemplo cansaço, fadiga, insônia, perda de músculos, ganho de gordura, déficit de atenção, perda de memória e outros. Por isso é necessário verificar o nível dos seus hormônios (testosterona, estrogênio, progesterona, melatonina, DHEA, cortisol, vitamina D3, entre outros) e fazer um equilíbrio a partir da suplementação hormonal. Lembrando que, para isso, é necessária a prescrição orientada por um médico.

Dr. Carlos Roberto Reginato
CRM 149181 - SP
Dr. Carlos Reginato é especialista em Nutroendocrinologia pela Faculdade Inga e em Nutrologia pela ABRAN. Formou-se em Medicina na Escola de Ciências Médicas de Volta Redonda – Rio de Janeiro. Atualmente, cursa pós-graduação em Medicina do Esporte pela Uningá.
Possui cursos em Nutrologia Esportiva, Modulação Hormonal, Personalização da Dieta, Fitoterapia, Nutrigenética, Nutrigenômica e Medicina Quântica. Participou também de diversos congressos na área da Nutrologia, dentre eles o XVII Congresso Brasileiro de Nutrologia e o X Anual Meeting International Colleges for Advancements of Nutrition.


quinta-feira, 28 de abril de 2016

Prepare-se para fazer o Nhoque Fit da Fortuna





Inspire Fit ensina como preparar a receita funcional, bem mais saudável e light, no dia da simpatia para ganhar dinheiro 

Apesar de delicioso e queridinho na mesa dos brasileiros, o nhoque não é um prato indicado para quem está em dieta ou quer manter o peso. Por isso, a Inspire Fit ensina como preparar a versão funcional do prato para o Dia do Nhoque da Fortuna, celebrado no dia 29 todos os meses.  

De acordo com a chef Isabelle Baldi, o nhoque da Inspire Fit leva batata doce roxa e farinha de arroz. O molho de tomate rústico é fresco, preparado com ervas frescas e especiarias. 

A nutricionista Samanta Morelli Rodrigues, consultora da Inspire Fit, explica que a versão fit é preparada com ingredientes naturais, mais saudáveis e com menos gordura que os pratos tradicionais. “A farinha branca refinada e os carboidratos simples são substituídos por farinhas mais nutritivas e por carboidratos complexos que contem fibras em sua composição como a batata doce. Além disso, por não conterem glúten podem ser consumidos por pessoas que são alérgicas a essa proteína”.

História do Nhoque da Fortuna

Dia 29 é dia de fazer o Nhoque da Fortuna para ganhar mais dinheiro e atrair boas energias. De acordo com a antiga tradição italiana do Dia de São Pantaleão, que é comemorada em dezembro, a simpatia pode ser realizada sempre no vigésimo nono dia de qualquer mês do ano. 

Como é a simpatia?

O ritual é bem simples: sirva-se do nhoque. Em seguida, coloque embaixo do prato uma quantia em dinheiro (qualquer valor).  Por fim, coma os 7 primeiros pedaços com pensamentos positivos e mentalize seus desejos. Existem locais que a simpatia se diferencia, como comer de pé os sete primeiros nhoques, mas no final o desejo de perseverar acaba sendo o mesmo.

Nhoque de batata doce
Ingredientes:
5 kg de batata doce
3 ovos
2 colheres de sopa de sal
1 noz moscada ralada
1kg de farinha de arroz
3 pitadas de sal

Modo de preparo: 
Cozinhe a batata em água. Depois de 15 minutos, ou no ponto do cozimento, sem desmanchar, escorra da água e esprema com as batatas ainda quentes.

Faça um purê e deixe esfriar. Misture os ovos, o sal, a noz moscada e metade da farinha de arroz. Faça uma massa e divida em quatro, reserve.

Espalhe, aos poucos, o restante da farinha em uma mesa ou mármore e trabalhe um por um dos quatro pedaços separados da massa, enrolando fios da grossura do dedo indicador e cortando em retângulos. Logo após, transforme cada pedaço em bolinhas, enrolando com as mãos.

Sempre jogue farinha na superfície para a massa não grudar. Cozinhe as bolinhas em água fervente; ao subir, retire, mergulhe-as na água gelada e reserve. Ao retirar da água gelada, coloque em uma assadeira com óleo e congele. Depois de congelado, separar em porções de 200 g.  

Sobre a Inspire Fit

O espaço de nutrição funcional oferece refeições saudáveis e conta com produtos naturais, orgânicos, suplementos alimentares e esportivos, e atendimento de profissionais da saúde. 

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Mitos e verdades sobre a hipertensão arterial



De acordo com a Sociedade Brasileira de Hipertensão, mais da metade dos idosos tem pressão alta, 30% da população em geral e 5% das crianças. Essa é uma doença silenciosa que dificilmente apresenta sintomas e, por isso, gera preocupação. Se não tratada, a hipertensão pode provocar derrames cerebrais, doenças do coração, como infarto, insuficiência cardíaca e angina (dor no peito), insuficiência renal ou paralisação dos rins e alterações na visão que podem levar à cegueira. Tendo em vista o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, celebrado em 26 de abril, que chama atenção para a importância da prevenção e de dar continuidade ao tratamento, o cirurgião cardiovascular da Beneficência Portuguesa de São Paulo Marcelo Sobral selecionou alguns mitos e verdades sobre a doença. Confira:

1.      Se eu não sinto sintomas de hipertensão, não tenho a doença? Mito!

A maioria dos hipertensos não apresenta sinais referentes à doença, ou seja, esse problema pode ser assintomático.  Os sintomas mais comuns são dor de cabeça, dor na nuca, enjoos, tonturas e falta de ar e aparecem, na maior parte das vezes, quando a doença já causou danos ao nosso corpo.

 2.      O Sal eleva a pressão arterial? Verdade!

O consumo em excesso do sal pode causar retenção de líquido, inchaço e aumento da pressão arterial.  É recomendado a ingestão máxima de 3 gramas de sal/dia.  Uma dica importante é substituir a opção refinada por temperos ou até sal rosa ou integral que além de possuírem diferentes minerais ainda reduzem a pressão arterial.

 3.      A boa alimentação auxilia no controle da pressão alta? Verdade!

O sobrepeso e a obesidade podem acelerar em até 10 anos o surgimento da pressão alta, já que exige do coração um maior esforço. O consumo em excesso de gordura saturada e o baixo consumo de alimentos saudáveis como frutas e verduras contribuem para o aparecimento da hipertensão.

 4.      O estresse não tem qualquer ligação com pressão alta. Mito!
O estresse, reação natural do nosso organismo, causa a elevação da pressão do nosso coração. Por isso, o estresse está extremamente ligado ao aparecimento da hipertensão. É importante manter uma rotina tranquila.

5.      A hipertensão é predominante em mulheres. Verdade!

A prevalência da pressão alta aumenta com a idade, cerca de 60 a 70% da população acima de 70 anos é hipertensa. As mulheres apresentam incidência maior de pressão alta em relação aos homens e essa relação se mantem após os 50 anos (menopausa). Em relação à etnia, além de ser mais comum em indivíduos afros descendentes, especialmente em mulheres, a pressão alta é mais grave e apresenta maior taxa de mortalidade.

6.      Hipertensão arterial sempre é hereditária. Mito!

Nem sempre. A hipertensão arterial é classificada em primária, que corresponde a 90% da população de doentes e trata-se de uma síndrome que depende de fatores genéticos e ambientais (consumo excessivo de sal e álcool, obesidade, sedentarismo e o estresse). No caso da secundária, doenças das artérias renais, glandulares e endurecimento de paredes de grandes artérias causam o aumento pressórico. 

7.      Com a pressão controlada, o paciente pode interromper a medicação. Mito!
Mesmo com a pressão sob controle, não é permitido parar com a medicação, uma vez que a pressão só está controlada devido aos medicamentos. Exceção à hipertensão secundária ou relacionada ao estilo de vida, por exemplo, sedentarismo e obesidade, já que com a mudança de hábito, a pressão alta pode desaparecer.


https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif
8.      Exercícios físicos auxiliam no combate à hipertensão arterial. Verdade!

A prática esportiva ajuda a romper o ciclo do sedentarismo e promove melhoras no condicionamento físico.

 Sobre Beneficência Portuguesa de São Paulo

Fundada em 1859, a Beneficência Portuguesa de São Paulo (www.beneficencia.org.br) é a maior instituição hospitalar privada da América Latina, contando com aproximadamente 7.500 colaboradores e 3.000 médicos, e com uma gestão baseada na qualidade assistencial, humanização, ensino e pesquisa, além de um corpo clínico formado por renomados especialistas. A instituição é referência no atendimento médico hospitalar em mais de 50 especialidades, como cardiologia, oncologia, neurologia, gastroenterologia, ortopedia, urologia, entre outras. Atualmente, a Beneficência Portuguesa conta com três hospitais que somam mais de 1.200 mil leitos de internação. O Hospital São Joaquim, primeiro pilar da Instituição, realiza atendimento ao Pronto Socorro, UTIs, Internações e Cirurgias. Em 2007, foi inaugurado o Hospital São José, que se destaca pelo atendimento oncológico com padrões internacionais, entre outras especialidades. Em 2012, o Hospital Santo Antônio foi criado com o objetivo de oferecer atendimento a pacientes usuários do Sistema Único de Saúde, reforçando a responsabilidade social e carácter beneficente da Associação. Já em 2013, a Instituição criou o Centro Oncológico Antônio Ermírio de Moraes para ser um dos maiores e mais completos núcleos de tratamento de câncer no país.

terça-feira, 26 de abril de 2016

26 de abril: Comemoração do Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial


Sociedade Brasileira de Hipertensão alerta: obesidade eleva o risco de hipertensão arterial

Estudo publicado pela revista científica Lancet mostra que um quinto da população brasileira adulta é obesa, o que representa quase 30 milhões de pessoas

A Sociedade Brasileira de Hipertensão manifesta sua preocupação diante do estudo inédito publicado pela revista científica Lancet sobre a obesidade, que revela um total de quase 30 milhões de brasileiros adultos obesos. Esse número coloca o Brasil como um dos líderes no ranking de países mais obesos do mundo - o 3º entre as mulheres e o 5º entre os homens.

De acordo com a entidade, a obesidade é um dos fatores principais que favorecem o desenvolvimento da hipertensão arterial, doença que acomete cerca de 30% da população adulta brasileira e é responsável por 40% dos infartos, 80% dos AVCs e 25% dos casos de insuficiência renal terminais. Além do excesso de peso, idade, sedentarismo, alcoolismo, tabagismo e estresse também propiciam o surgimento da doença.

Para conscientizar a população a respeito dos fatores de risco associados à hipertensão arterial, dos quais a obesidade e os maus hábitos alimentares fazem parte, a Sociedade Brasileira de Hipertensão promove anualmente a Campanha Menos Pressão. "Nosso objetivo principal é mostrar à população a importância de aferir a pressão arterial com regularidade, além de incentivar hábitos de vida mais saudáveis", afirma Dr. Fernando Almeida, nefrologista e responsável pela Campanha Menos Pressão da SBH.

Este ano, a Campanha Menos Pressão tem como lema o "Prazer da Superação" e como embaixadora a gestora esportiva Magic Paula. A SBH promove eventos gratuitos por todo o Brasil por meio de Ligas e Grupos Associados, com uma programação que inclui aferição da pressão arterial, testes de glicemia, cálculo da massa corpórea (IMC), dicas nutricionais e de prática de atividades físicas, além de aconselhamento antiestresse. As atividades ocorrem na semana do dia 26 de abril, data em que se comemora o Dia Nacional de Prevenção e Combate à Hipertensão Arterial, e contam com o apoio do Ministério da Saúde. 

Em São Paulo, o evento ocorre no Conjunto Nacional, das 9h às 17h, e inclui uma programação gratuita aberta ao público, com aferição da pressão arterial, testes de glicemia, cálculo de massa corpórea (IMC), dicas nutricionais e aconselhamento antiestresse. A SBH estima atender mil pessoas durante o dia.

"Nosso objetivo principal é mostrar à população a importância de aferir a pressão arterial com regularidade, além de incentivar hábitos de vida mais saudáveis", afirma Dr. Fernando Almeida, nefrologista e responsável pela Campanha Menos Pressão da SBH.

Serviço:
Atividades: Programação gratuita para aferição da pressão, teste de glicemia, cálculo de massa corpórea (IMC) e dicas nutricionais.
Data: 26/04
Horário: das 9h às 17h
Local: Conjunto Nacional - Av. Paulista, 2073 -- Térreo, São Paulo - SP


Sobre a SBH
A Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH) é uma organização sem fins lucrativos que tem a missão de promover uma série de eventos para difundir o tema tanto entre os médicos e profissionais da saúde quanto para a população em geral. O objetivo da SBH é estimular o intercâmbio de informações e a pesquisa (básica, clínica e epidemiológica) sobre hipertensão arterial e moléstias cardiovasculares entre cientistas e profissionais da saúde brasileiros. Além de, incentivar jovens cientistas e médicos a desenvolverem pesquisa em hipertensão arterial, oferecendo informações relevantes a médicos e profissionais de saúde sobre aspectos de hipertensão arterial e moléstias cardiovasculares. A SBH promover a detecção, controle e prevenção da hipertensão e outros fatores de risco cardiovascular na população brasileira. Para mais informações, acesse: http://www.sbh.org.br.


segunda-feira, 25 de abril de 2016

Pacientes cardíacos são mais vulneráveis às consequências da H1N1



Cardiologista do HCor alerta para os perigos subestimados da gripe; lavar as mãos com frequência e evitar lugares aglomerados são algumas das medidas preventivas

Ela chegou mais cedo e ainda mais forte. A H1N1 já avançou por 15 Estados e vem causando um surto atípico, fora de época. Somente nos três primeiros meses deste ano, o número de casos e óbitos ultrapassaram os de 2015 – um aumento de 28%. A chegada antecipada do vírus influenza A e a severidade dos casos têm chamado a atenção dos médicos e preocupado toda a população. Para pacientes cardiopatas - condição que afeta cerca de 2 milhões de brasileiros -, o risco à saúde é ainda maior.

O cardiologista Edgard Ferreira, coordenador médico do PS HCor – Hospital do Coração, em São Paulo, explica que o mecanismo de defesa, em determinados pacientes cardiopatas, podem estar naturalmente deprimidos em função da própria doença. “Este grupo é mais vulnerável a qualquer doença infecciosa e inflamatória, pois apresenta piora das condições clínicas facilmente. A capacidade de o coração bombear o sangue para o corpo diminui e qualquer sobrecarga se torna perigosa”, alerta.

Sintomas e contágio
Entender os sintomas e a forma de contágio é importante para ficar longe da gripe e tratar a doença o mais rápido possível. O vírus se espalha na aglomeração e é transmitido, principalmente, pelas gotículas expelidas pela boca quando falamos ou tossimos, assim como pelas mãos – ao tocar um objeto contaminado e levá-la à boca, aos olhos ou ao nariz.

Em pessoas jovens e com a saúde em dia, por exemplo, a H1N1 é só mais uma gripe forte, que pode surgir de 3 a 5 dias após o contágio, com sintomas que se assemelham a uma gripe comum: febre alta e súbita, mal-estar, fortes dores pelo corpo e no tórax. Já em pacientes com problemas cardiológicos a atenção deve ser redobrada.

Embora seja necessário ter cautela, não há motivos para pânico. A gravidade da doença está relacionada ao grupo de maior risco, como crianças e idosos, imunodeprimidos, portadores de doenças pulmonares e crônicas, e cardiopatas, conforme explica Dr. Ferreira: “Para os cardiopatas, a gripe pode evoluir e levar à piora no sistema respiratório e circulatório, que podem causar quadros de descompensação cardíaca, arritmias, angina e infarto”.

Medidas preventivas
Lavar as mãos é uma das medidas mais importantes para evitar o contágio com o vírus da gripe. Além disso, os pacientes são orientados a adotar outras medidas, como cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir, não compartilhar objetos de uso pessoal e manter os ambientes arejados. Para que não seja pego de surpresa, confira algumas dicas:

Hidratação: aumente o consumo de líquido, como água e sucos naturais, por exemplo.
Alimentação: dê preferência às verduras, legumes e frutas, capazes de fornecer os nutrientes e as vitaminas essenciais para melhorar a defesa imunológica.
Ventilação: evite locais com muita aglomeração. Em casa, mantenha janelas e portas abertas para arejar o ambiente e evitar que o vírus se propague com mais facilidade.
Informações para Imprensa

terça-feira, 19 de abril de 2016

Sharks n’Dresses - Mergulho com tubarões nas Bahamas

Fotos: Alexandre Socci


Com o objetivo de chamar a atenção do mundo sobre a matança desenfreada e cruel dos tubarões que têm um papel importantíssimo no equilíbrio dos mares, Karina Oliani convidou o fotógrafo e amigo Alexandre Socci para uma sessão de fotos subaquática em um santuário de tubarões nas Bahamas.
Com 5 quilos de lastro na cintura em uma profundidade de 18 metros, sem nadadeira e sem máscara, usando vestidos longos de festa do grande etilista Arthur Caliman, a mergulhadora passou um dia inteiro de olhos abertos na água salgada rodeada por tubarões, os vestidos de uma certa maneira impediam seus movimentos, prendendo a respiração durante aproximadamente dois minutos diversas vezes para conseguirem o “click perfeito”.
Em uma situação indefesa e sem proteção, esse ensaio, intitulado Sharks n’Dresses, provou que esses animais não são  assassinos. Estima-se na realidade que 100 milhões de tubarões são mortos pela indústria pesqueira todos os anos. E a expedição não parou por aí.
Conheça Karina Oliani (matéria publicada na edição 84)
Ela tem apenas 32 anos de idade e uma vasta experiência nos esportes radicais. Médica e multiesportista, Karina Oliani possui muitas conquistas e realizações pioneiras. Desde criança seu fascínio sempre foi por atividades radicais.

“Minha mãe comenta que brincava de casinha com minhas irmãs, Karoline e Nathali, e amarrava uma
 corda em minha cintura e já escalava minha casinha e falava que um dia escalaria o Everest, 
acho que nasci assim”, relata. 
Aos 12 anos de idade, Karina fez seu primeiro salto de paraquedas (duplo) e concluiu seu curso de mergulho autônomo. Com 17, já era bicampeã brasileira de Wakeboard e recordista em Apneia. Karina também pratica muitos outros esportes como: Escalada em rocha, Motocross, Canoagem (caiaque), Rapel, Snowboard, Surf, Paraquedismo, Montanhismo, Bung Jump, Corridas de orientação, Hipismo, Stand- up, Downhill, Jui-Jitsu, Esqui Aquático, Snowmobile, Asa-delta e Sandboard. Ufa, e ainda tem mais. Karina também é piloto privado de helicóptero e tem licença da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil).

Com este vasto currículo no meio esportivo, Karina ainda é formada em medicina e é a única médica brasileira a ter o título de especialista de medicina de emergência e resgate em áreas remotas. Karina também é apresentadora de TV e atualmente apresenta a série do Canal Off (Globosat) chamada “ Do Jeito Delas” junto com sua irmã também médica Nathali Oliani.

Especializada em nutrologia, ela ainda trabalha em um dos pronto-socorros mais movimentados de São Paulo, viaja constantemente e ainda assim encontra tempo para treinar diariamente.  

Em 2013, mesmo com essa rotina intensa de trabalho e treinamento, Karina partiu para sua maior e mais difícil missão: chegar ao cume do Monte Everest. Foram dias de aclimatação, enfrentando nevascas e diversas dificuldades. Em uma escalada bem difícil por causa dos fortes ventos, Karina foi obrigada a dormir uma noite na Zona da Morte, a 8.000 metros de altitude, no acampamento local onde normalmente um alpinista fica apenas algumas horas. Karina foi obrigada a passar mais de 30 horas no acampamento aguardando a melhora no clima. Karina é hoje a mulher brasileira mais jovem a chegar ao topo do mundo.

Mesmo com as dificuldades que enfrentou por lá, Karina não pensa em parar. Seu sonho é escalar as sete maiores montanhas do planeta, sendo 4 já cumpridas por ela – Elbrus, Kilimanjaro e Aconcágua e última conquistada, Everest a maior montanha do mundo.

O preparo físico
Condicionamento físico para encarar os desafios que Karina está habituada é fundamental. Como médica, ela sabia exatamente como deveria estar fisicamente para escalar o Everest e não fez por menos. Foram treinos árduos, alimentação regrada e muito cuidado com a saúde.

Eu comecei a "treinar" para o Everest desde que voltei do Nepal em julho de 2010. Primeiro, foram anos de preparo mental e isso consegui competindo em todos os esportes que fiz a vida inteira. Os treinos físicos pesados começaram com aproximadamente um ano antes. Foram muitas subidas com cargas em escadas, corrida de montanha, escaladas em rochas e alimentação regrada para estar preparada para a montanha mais alta do mundo”.

Mesmo ciente de que estava bem fisicamente para enfrentar a escalada, Karina passou por algumas 
dificuldades ao subir a montanha. As maiores foram o frio e os ventos. Por lá, as temperaturas chegam 
a –50 graus e o ar é extremamente seco. “Tenho asma e chegando próximo aos 6.000 metros sofri 
bastante com a falta de ar”, conta a atleta.

Para se ter uma ideia do esforço físico pelo qual ela passou, a perda de peso foi algo bem visível. 
Embora tenha tido uma alimentação regrada, Karina conta que é normal emagrecer bastante em alta montanha. 
“Perdemos tudo lá, principalmente músculos.  Uma pessoa sem fazer muita atividade já gasta umas 2000 calorias por dia. 
Um escalador nas condições que eu estava, com temperaturas de -40 graus acima de 8000 m chega a perder 15.000 
calorias no dia de cume”, explica. 

Como médica, Karina tem experiência de sobra para falar o que pode acontecer a um escalador que não está preparado
 fisicamente para uma aventura como essa ou que comete erros durante a subida ao cume. Segundo ela, o corpo humano 
não está acostumado para essas grandes altitudes e mesmo com um bom preparo físico, erros pequenos durante a escalada 
podem complicar muito a vida de qualquer pessoa, seja um atleta ou não.

“Se aclimatar bem é uma regra para os escaladores que vão para altitudes superiores a 5000 m e voltam para dormir em 
altitudes mais baixas. Isto de certa forma “engana” o corpo humano e o orça a produzir mais hemácias. Se não se aclimatar bem,
 com certeza terá complicações durante a escalada. Normalmente os escaladores apressados sofrem demais com o mal da 
montanha e pode evoluir até a um edema pulmonar ou edema cerebral”, revela.
 
Foto: Tato Alves
O treino nada fácil de Karina
Acostumada a treinamentos diários, Karina sempre mantém
 seu físico em forma. 
Porém, para a escalada, precisou de um 
treinamento específico.
A dieta também foi modificada para o objetivo que tinha. 
Antes do Everest, por uns 8 meses Karina abriu mão de 
comer doces e
 carboidratos, e consumiu bastante proteína pois sabia que no 
Nepal a carne é escassa e precisaria de proteína para manter a 
massa magra. 
Nessa preparação, Karina também usou Whey Protein isolado, 
BCAA e polivitamínico.

Karina treina com a personal trainer Daniele Balhes desde 2012 e foi ela quem a auxiliou durante os treinamentos para a escalada do Everest. De acordo com Daniele, o ideal para o treinamento seria um treinamento no próprio ambiente natural de montanha, mas como isso não foi possível em dias de semana, escadas, ladeiras, esteira e bicicleta ergométrica, pesos extras como mochila e correntes para trabalhar fortalecimento e resistência muscular de membros inferiores foram os principais recursos que elas usaram para driblar o fato de estarem longe do local do desafio.

“Utilizamos o treinamento funcional trabalhando o sistema cardiorrespiratório, auxiliando o ganho de força e resistência muscular geral. Sempre periodizamos os treinos da Karina. Sobre a frequência dos treinos foram três vezes por semana nos primeiros meses e depois no mínimo quatro vezes próximo a escalada”, diz a personal.

Ainda de acordo com Daniele, Karina aceita qualquer desafio e durante as aulas ela realiza muitos exercícios diferentes e com maior grau de exigência como subir escadas com o namorado, que tem quase 2 metros de altura, nas costas, subir em corda marítima e carregar pneus.

A musculação não foi parte fundamental do treino de Karina ao desafiar o Everest. Porém, em alguns momentos da preparação física dela, alguns exercícios de musculação foram realizados, normalmente como forma de fortalecimento para corrigir algum desequilíbrio muscular.

A base dos treinos de Karina são com exercícios funcionais. Primeiro, por ser uma preferência pessoal, depois porque tentamos ao máximo chegar mais perto da realidade esportiva dela, trabalhando assim o princípio da especificidade, Além disso, Karina tem grande facilidade em ganhar massa muscular e para boa parte dos esportes que ela pratica não é interessante estar mais “pesada”. Para cada objetivo, usamos  determinados equipamentos, mas alguns estão sempre presentes como barra fixa, corda marítima, bancos para saltos, kettlebell, pneu e correntes. 


 



segunda-feira, 18 de abril de 2016

Feira de Produtos Orgânicos no Shopping Villa Lobos


Fotos: Divulgação



Com o formato focado em llifestyle, o espaço apresenta oficinas interativas, barraca de café da manhã,aulas fitness, área gastronômica e espaço kids para toda a família
O Shopping Villa Lobos apresenta sua tradicional Feira Orgânica neste domingo, 24, com 14 barracas exclusivamente de produtos orgânicos. O espaço foi transformado em um evento que promove um life style saudável destinado para toda a família com novas oficinas interativas, barraca de café da manhã, área gastronômica, espaço gourmet, aulas funcionais e espaço kids.
Nas barracas, os visitantes podem encontrar legumes, hortaliças e verduras frescas, castanhas, temperos, molhos de tomate e produtos prontos como chás, bolos, pães, sorvetes, açaí congelado, suco verde e geleias, a feira de orgânicos conta com a parceria da AAO, Associação de Agricultura Orgânica. Além disso, o local permite que os clientes desfrutem de um café 100% orgânico com diversas opções saudáveis.
Já o Espaço Gourmet foi desenvolvido para os clientes aproveitarem as opções gastronômicas no próprio local com toda a infraestrutura proporcionada, enquanto as crianças podem se divertir no Espaço Kids. As oficinas interativas trazem quinzenalmente temas relacionados com a causa da feira e a participação é gratuita e aberta ao público.
A feira de orgânicos acontece todos os domingos, das 7h às 13h, no estacionamento externo do Shopping VillaLobos, sendo que até às 12h os clientes pagam meia tarifa de estacionamento. A Feira Orgânica reforça a filosofia do empreendimento em relação à sustentabilidade, responsabilidade social e a importância de uma alimentação sadia e equilibrada.

Os benefícios do frango para a saúde

Alimento presente na culinária de várias culturas e lugares do mundo, o frango é uma excelente fonte de proteína e energia, pois além de ser fácil de digerir, tem menor quantidade de gordura saturada comparado as outras carnes. Extremamente versátil, é um dos produtos mais procurados nos supermercados.

A nutricionista da mesma rede Mambo, Karina Reis, fala sobre essa proteína saborosa, nutritiva e versátil.

Amigo da dieta - “O filé de frango é rico em proteínas e uma das carnes brancas com menos gorduras e calorias e por isso é muito indicada para quem deseja perder peso, ganhar massa muscular magra ou se alimentar de forma saudável”. O selênio também é um mineral fundamental presente na carne de frango que auxilia o sistema endócrino, regulando o metabolismo e funcionamento de outros componentes do mesmo sistema, “quando consumido, ele ajuda o desempenho da glândula tiroide que funciona de forma mais eficaz e intensa, mantendo o metabolismo ativo”, explica a nutricionista Karina Reis.

Bom para o coração - “Fonte de vitamina B6, ela é responsável por manter a saúde do coração equilibrada, além dos níveis de homocisteína baixos, preservando as paredes dos vasos sanguíneos”.  “Como expliquei, a carne de frango contém selênio, e ele também é um dos responsáveis pelo sistema de defesa antioxidante do organismo”, diz a nutricionista.

Ajuda na proteção contra o câncer – O frango também possui Niacina (vitamina B3) que é essencial para a proteção contra a doença. “Basta uma pequena porção de frango por dia para suprir suas necessidades diárias de niacina”. E novamente devido ao selênio, a carne de frango também auxilia na proteção do organismo contra o câncer, pois favorece a manutenção do ciclo de vida ideal de uma célula. 

Auxilia no dia a dia – Segundo a nutricionista, devido à presença de aminoácidos que dão origem a diversos tipos de proteínas e enzimas, o consumo de frango ajuda a manter o bom humor, a atenção, concentração e qualidade do sono.

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Inspiração e determinação para ajudar a transformar


Foto: Toby Harrison



 
Quem vê a diva fitness Sarita Federle hoje em dia nem desconfia que ela já foi mais "cheinha". Atualmente com 58 kg e 10% de percentual de gordura — este valor chega a 5% na época das competições —, Sarita já pesou 64 kg e tinha percentual de 25% entre 2011 e 2012.

 A mudança aconteceu quando ela começou a não gostar do que estava vendo no espelho. "Não estava nada satisfeita com o que eu via no espelho, pois eu sabia o quanto estava me alimentando mal. Nessa época fiquei três meses focadíssima em uma dieta bem restrita e transformei meu corpo. Peguei ajuda de um personal para me dar mais motivação e ter mais compromisso. Foi muito importante nesta fase! Minha alimentação era a base de verduras, frango, batata, arroz , granola, integral, água, iogurtes… nadica de nada de porcarias", contou. 

A paranaense, que ficou em sétimo lugar no Mundial WBFF - World Beauty Fitness and Fashion, realizado em Las Vegas em 2015, agora treina para ser a número um do mundo. Além de Sarita, a única brasileira presente no Top 10 do ranking mundial é Andreia Brazier.

Agora ela se prepara para duas novas competições, o WBFF de Los Angeles, aonde competirá na categoria PRO Diva Fitness e que acontecerá no final de abril e para o campeonato mundial da categoria, que acontece em agosto em Toronto, no Canadá.

Mãe de Pietra, de 8 anos, atleta, empresária e casada há mais de 10 anos – e agora seu marido também tornou-se atleta fitness, na liga National Physique Committee, dos Estados Unidos  -, ela não poderia ter escolhido uma modalidade melhor para competir, afinal, de boa forma e de moda ela entende bem. Isso porque, além de musa fitness com certificação como personal trainer e nutrição esportiva, a consultora apresentava um programa de TV sobre tendências fashion no Paraná antes de ir estudar nos EUA.



Cinco hábitos que podem desencadear diferentes tipos de câncer


Algumas mudanças na rotina ajudam a diminuir as chances de desenvolver a doença e ainda garantem melhor qualidade de vida

 Todo ser humano nasce com células cancerígenas e anticorpos que estão aptos para atacá-las. No entanto, ao longo da vida, a quantidade dessas células aumenta e a imunidade diminui, crescendo a chance de desenvolver a doença, segundo explica o neurologista Mário Guimarães, professor do curso de Medicina da Anhembi Morumbi, integrante da rede internacional de Universidades Laureate.

Alguns fatores podem influenciar o surgimento da doença. A genética é uma das causas mais comuns, porém, hábitos não saudáveis durante a vida podem contribuir. O especialista explica quais as principais atitudes adotadas pelas pessoas que, ao longo do tempo, podem resultar em câncer:

Tabagismo
Além do câncer de pulmão – um dos mais comuns em pacientes que fumam -, o tabagismo pode provocar câncer na laringe, boca, nariz, bexiga e ovário.  “O câncer de bexiga é provocado por diversas substâncias tóxicas presentes no cigarro quando eliminadas na urina”, enfatiza o especialista. Alguns estudos demonstram também uma relação direta entre tabagismo e câncer ovariano do tipo mucinoso, que apresentam um comportamento mais agressivo e maior risco de metástases, além de respostas menos favoráveis à quimioterapia.

Carne Vermelha
Comer carne vermelha em excesso pode resultar em endurecimento das fezes, provocando lesões no intestino grosso, o que pode levar ao câncer de cólon. Para prevenir, é preciso diminuir a quantidade de carne vermelha na alimentação para no máximo 170 gramas por dia, dar preferência para cortes magros e aumentar a ingestão de fibras e vegetais, que auxiliam na formação do bolo fecal. “O excesso de gordura também é uma ameaça, pois aumenta a secreção de bile, que liberada em grandes quantidades, pode provocar danos ao intestino”, explica.

Defumados e churrasco
Carnes processadas e churrasco possuem elevadas concentrações de nitrito e hidrocarbonetos aromáticos, que aumentam o risco de câncer gástrico e colorretal.  A ingestão de 50 gramas por dia de churrasco ou carnes processadas aumenta em cerca de 20% o risco de câncer gastrointestinal. 


Má alimentação
A má alimentação é um dos fatores que desencadeiam alguns cânceres. Pacientes com quadros de gastrite e refluxo gástrico precisam mudar os hábitos alimentares, consumindo menor quantidade de alimentos, mais vezes ao dia. A reeducação alimentar torna-se imprescindível para evitar uma evolução das doenças para Esôfago de Barret, uma enfermidade pré-cancerosa que, se não for curada, pode evoluir para câncer. Outro tipo de câncer que pode aparecer com a má alimentação é o de mama. Isso por que, os níveis de hormônios podem variar, estimulando o crescimento de células cancerígenas. Já o consumo em excesso de gordura animal, faz com que o organismo libere uma quantidade grande de bile, que pode queimar o intestino, provocando câncer.

Sedentarismo
O sedentarismo está diretamente ligado aos cânceres de mama e de cólon. Estudos comprovam que a prática, mesmo que moderada, de atividades físicas, diminuem até 20% o aparecimento da doença.

*Mário Guimarães é neurologista formado pela Universidade de São Paulo (USP), professor de Medicina da Universidade Anhembi Morumbi e diretor do Serviço de Radioterapia e Radiocirurgia do Hospital Bandeirantes. O especialista está disponível para entrevista sobre o tema.


quinta-feira, 14 de abril de 2016

Dia Mundial do Café: Bebida que aquece e encanta

Descoberto pelos monges há mais de mil anos, o café não só atrai como também promove uma série de benefícios para a saúde
 Conta a lenda que, há mais de mil anos, um pastor da Etiópia notou que suas cabras ficavam mais despertas e dispostas ao saborear o fruto avermelhado de alguns arbustos da região. A observação foi compartilhada com um monge amigo, que decidiu experimentar o poder dos frutos, criando uma bebida a partir de sua infusão. A nova bebida o ajudava a resistir ao sono durante suas longas horas de leitura e oração. Logo a descoberta se espalhou por entre os monastérios islâmicos do Yemen, popularizando a bebida e seu uso.
 Mas foi na Arábia que o café ganhou seu nome e começou a ganhar sua fama. Foram os árabes que tiveram a ideia de torrar os grãos antes de transformá-los em bebida. A partir de 1615, o café começou a ser saboreado no continente europeu, levado por viajantes constantes do oriente médio. Ali, a bebida encantou italianos, franceses e alemães, mas foram os holandeses os primeiros a conseguir cultivar a planta naquele continente. Dali para que o café pudesse conquistar o mundo, foi um pulo.
 Mas o que faz do café esta bebida tão encantadora, repleta de fãs? Para Silvia Oigman, pesquisadora do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino – IDOR, o segredo do café pode estar na riqueza de seus compostos voláteis (que se dissipam no ar) que podem ter centenas de nuances olfato-gustativas atraentes para a grande maioria das pessoas.
 “O café é uma potência em aromas! Ele contém mais de mil compostos voláteis, nunca vistos em nenhuma outra espécie vegetal. Um café de boa qualidade, processado corretamente, possui diversas notas sensoriais como chocolate, caramelo, nozes... O cheiro e o sabor são muito atraentes e são, com certeza, os maiores responsáveis por seu consumo”, explica a neurocientista.
 Para Silvia, um bom café é uma explosão sensorial para quem o degusta. Isso porque o aroma de café ativa fortemente regiões importantes no cérebro, responsáveis pela sensação de prazer e bem-estar. Ela lidera um grupo de pesquisadores que investiga, por meio de ressonância magnética, como o cérebro se comporta com esse intenso estímulo olfativo.
 Mas o café pode gerar mais do que simplesmente bem-estar físico e emocional. Segundo Marcelo Cossenza, pesquisador do IDOR e da Universidade Federal Fluminense - UFF, um de seus compostos mais famosos, a cafeína, possui uma série de efeitos benéficos para o corpo e para o cérebro.
 “A cafeína favorece a funcionalidade cognitiva, melhora a percepção, reduz a fatiga, melhora a consolidação da memória, previne a depressão, reduz a diabetes do tipo 2 e pode até reduzir os sintomas associados à doença de Parkinson. Além disso, ela é muito conhecida por suas propriedades analgésicas e termogênicas, sendo muito utilizada pela indústria farmacêutica” explica Cossenza.
 De acordo com estudos norte-americanos, o consumo de café pode diminuir as chances de acidentes cardiovasculares (infartos) e cerebrais (“derrame” ou AVC), de diabetes e hipertensão, além de diminuir incidência da osteoporose e de crises de asma, nesse caso devido ao efeito brancodilatador da cafeína. A bebida melhora ainda a capacidade de atenção, memória e aprendizado.
 Os horários mais recomendados para se tomar café são no café da manhã, depois do almoço e à tarde. Algumas pessoas não devem consumir café ao fim da tarde ou à noite, pois poderão ter insônia devido à cafeína. 


quarta-feira, 13 de abril de 2016

Açúcar em excesso causa hipoglicemia



Quando exageramos no consumo de chocolate e guloseimas açucaradas, sabemos que essa ação pode causar hiperglicemia, ou seja, excesso de açúcar no sangue. Mas o que poucos sabem é que o efeito contrário - uma hipoglicemia (níveis baixos de açúcar no sangue) também podem acontecer diante da mesma situação. Existem dois tipos possíveis de hipoglicemia: pós-prandial ou reativa, normalmente ocorrem de 3 a 5 horas depois das refeições como resultado de um desequilíbrio entre os níveis de glicose e insulina no sangue. A hipoglicemia é prejudicial, pois a glicose é fonte principal de energia para o cérebro e em falta leva a hipoglicemia que em casos mais graves pode ocasionar a morte de neurônios. 
“O processo é o seguinte: ao ingerir muito açúcar, a insulina “sobe” e acaba queimando a glicose no sangue (mais do que o necessário). Em geral ela se manifesta em três tipos de indivíduos: pessoas com alguma predisposição genética (normalmente mulheres jovens e magras), pacientes submetidos à cirurgia bariátrica ou em fase inicial de um pré-diabetes, sempre após a ingestão de alimentos ricos em açúcar ou carboidratos simples (pão branco, pizza, arroz, biscoito, suco e etc).” Explica a endocrinologista da Clinica Essenza Dra. Paula Pires.
Os sintomas característicos da hipoglicemia: ansiedade, fraqueza, tremores, fome, palpitações e sudorese. Pode acontecer com índices glicêmicos abaixo de 50 ng/ml ou até mesmo com glicemias normais (em torno de 70-80 ng/ml- o que não é considerado uma hipoglicemia real), como se o organismo ficasse mais sensível às glicemias um pouco mais baixas e já liberasse hormônios de alerta um pouco mais precocemente, como a adrenalina, responsável pelos tremores e palpitações.
Atitudes para evitar hipoglicemia:
- Fibra nas refeições: pão integral com multigrãos, salada no almoço e jantar, fruta com casca. Pois a fruta retarda a absorção do carboidrato pelo intestino evitando um pico de insulina.
- Sempre associar uma proteína a um carboidrato, exemplo: troque o suco por um iogurte no café da manhã, adicione um pedaço de queijo branco ao seu pãozinho francês, sempre comer uma carne magra, um peixe ou um ovo no almoço e jantar.
- Faça lanches com fibras e proteínas entre as refeições (fruta, iogurte,sanduiche com queijo branco entre outras opções);
-Evite alimentos não integrais (troque arroz branco por arroz integral, pão branco por pão integral);
- Adicione grãos aos sucos, frutas e vitaminas como aveia, linhaça ou chia.
        Toda hipoglicemia deve ser avaliada por um médico endocrinologista.

Dra. Paula Pires
Especialista em Endocrinologia, Metabologia e Clínica Médico
Especialista em Endocrinologia Pediátrica.